Notícia

Polícia

Índices de violência contra mulher caem

Postada 11/06/2021



O crime contra a vida que ainda apresenta resistência em reduzir no Estado é o assassinato de mulheres em razão de gênero. O mês de maio encerrou com oito feminicídios, um a mais que no mesmo mês do ano passado (14,3%). No acumulado desde janeiro, contudo, o Estado ainda mantém redução nesse tipo de crime, com 42 casos, um a menos na comparação com igual intervalo de 2020 (-2,3%).
Os dados reforçam a necessidade de ampliar na sociedade gaúcha o engajamento por uma mudança de cultura de proteção, que valorize o respeito e a igualdade às mulheres em todos os âmbitos. Além disso, destacam a importância de que as denúncias sejam levadas às autoridades para adoção de medidas preventivas, uma vez que o feminicídio é o ponto final de um ciclo de violência prolongado, do qual a maioria das vítimas não consegue se libertar sem ajuda. Por isso, é fundamental que familiares, amigos, vizinhos e mesmo desconhecidos denunciem qualquer suspeita de abuso.
Nos demais crimes de violência contra a mulher monitorados pela Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP-RS), tanto os dados de maio quanto do acumulado desde janeiro mostram menos registros na comparação com 2020. O destaque são as tentativas de feminicídio, com uma queda de 74,8% no mês, passando de 31 registros para oito.
Para a diretora de Políticas para as Mulheres do Estado, Bianca Feijó, a redução na queda de violência contra as mulheres no Estado vem ocorrendo nos últimos 11 meses. "Isso se deve a muitas ações que nós tomamos de imediato, uma delas a Delegacia On-line, com a mesma validade de prazo daquelas que estão ocorrendo de forma presencial", disse em entrevista ao JM, lembrando que a Polícia Civil disponibiliza um número de whatsapp (51 - 984440606) e também é possível fazer o relato no Denúncia Digital 181, no site da SSP, ou pelo Disque Denúncia 181. Para situações de violência que exijam intervenção imediata, o canal de emergência é o 190 da Brigada Militar. "Quando iniciamos tínhamos 48 Patrulhas Maria da Penha e agora já temos mais de 90. Formamos um Comitê Interinstitucional de Enfrentamento à Violência Doméstica, que visa prevenir atos de violência que atinge as mulheres e hoje ele é um dos maiores que existe no Estado", acrescenta. A coordenadora ressalta ainda que recentemente foi lançado a cartilha da mulher: Guia para a Adesão de Políticas de Proteção às Mulheres nos municípios, com o objetivo de auxiliar os gestores municipais que desejam contribuir no enfrentamento à violência contra a mulher. "O conteúdo da cartilha conta com sugestões de serviços, assim como o passo a passo para a implementação de políticas públicas voltadas à proteção das mulheres gaúchas e esclarecimentos sobre como o governo do Estado pode auxiliar nesse processo", finaliza Bianca.
 


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por