Notícia

Economia

Mulheres destacam os desafios de empreender

Postada 22/11/2021



Estatisticamente, mulheres passam por mais desafios diários em busca do sucesso do que os homens. Desigualdade salarial, dificuldades para liderar simultaneamente uma família e equipe de trabalho e falta de confiança são alguns problemas recorrentes. No entanto, muitas mulheres estão contribuindo para mudar esse dado. 
No Brasil, o contingente de mulheres empreendedoras endossa a importância do dia comemorativo. Elas são mais de 30 milhões, em um universo de 52 milhões de empreendedores, segundo dados do Global Entrepreneurship Monitor 2020 (GEM), principal pesquisa sobre empreendedorismo do mundo, feita em parceria com o Sebrae.
Segundo os dados, o  Brasil é o sétimo País com o maior número de mulheres empreendedoras no mundo. Dos 52 milhões de empreendedores no País, 30 milhões (48%) são mulheres.
Já, entre os microempreendedores individuais (MEI), as mulheres representam 48% do total. A preferência delas é pelos segmentos de beleza, moda e alimentação.
Ontem, foi comemorado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, o JM destaca histórias de mulheres que decidiram ir à luta e conquistaram o seu espaço. 
Há  mais de 10 anos no mercado empresárial, Susete Mass é sócia proprietária da Dádivas Enxovais, e neste período teve que conciliar família e empresa
Ela relata que um dos principais desafios neste atual momento é estar sempre atualizada. "Vejo que no mundo atual, hoje ser uma mulher empreendedora é um grande desafio, é necessário estar sempre atenta ao mercado que muda a cada momento para que possamos buscar resultados positivos. Mas faço realmente o que gosto porque para ser empreendedora é estar em busca de novos desafios", disse. 
Os desafios de se manter no mercado, principalmente neste período de pandemia da covid-19, é lembrando pela empresária Lucinéia Felipin Woitchunas, da Loja Poder e Luxo. 
Segundo ela, a pandemia veio a desafiar os empreendedores de uma forma nunca antes vista e exigiu muito esforço, muita força de vontade para quem decidiu permanecer no mercado. "Nesse momento, a situação começa a melhorar. No entanto, a incerteza gerada pela pandemia sobre o que ainda está por vir e como será o breve futuro deixa todos muito inseguros, empreendedores, consumidores e isso causa incerteza no mundo dos negócios,  sem contar com a crise financeira que também é uma incógnita", destaca a empresária, que ressalta que o empreendedor tem que ter "sangue no olho" e saber lidar com as adversidades e acreditar que o futuro será melhor. "Esse período exigiu muito mais, mas acredito que o futuro é promissor para quem conseguiu se manter no mercado. Em termos de consumo, como atuo no setor da moda, acredito que as cores que surgiram nas coleções pós pandemia refletem o desejo que as pessoas tem de uma vida alegre cheia de cores, de vida", acrescenta. 


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por