Notícia

Geral

Cresce o interesse por reformas e decorações

Postada 29/06/2020



Já são três meses de quarentena no Brasil devido à pandemia do novo coronavírus. Nesse período, quem cumpre o distanciamento social provavelmente passou a ter uma relação diferente com o próprio lar. 
Com mais tempo em casa, muita gente começou a repensar as possibilidades de conforto no espaço e têm tido nas lojas de materiais de construção e decoração uma saída para repaginar a casa, fazer pequenos reparos.
Proprietária do Mobiliário 21, Gisele Barbi viu crescer as buscas por objetos de decoração e de projetos de reestruturação de ambientes neste período, principalmente de pessoas que tiveram que criar espaços de estudos para os filhos ou de trabalho para quem está em home office. 
"Temos feito muitos projetos, com móveis planejados, ambientações, espaços novos, home office. Ajeitando closets para louças da cozinha", disse, lembrando que as pessoas estão tendo muita atenção para as paredes, com novas pinturas, papéis de parede e quadros. "As iluminações também ganharam  atenção especial em casa e as pessoas investiram, tanto na iluminação decorativa quanto naquelas que vão atender esta nova realidade do home office bem iluminado ou  um espaço dentro do quarto para estudar."
Movimento parecido aconteceu na Schirmann Homer Center. Desde o início da pandemia, eles viram aumentar o número de clientes em busca de produtos para fazer a reforma de cozinhas, trocar revestimentos dos banheiros ou no piso da sala, explicou o gerente da loja, Jaime Lima, destacando que os itens mais procurados têm sido os porcelanatos e os revestimentos de paredes monoporosas. "Em nosso segmento, as coisas estão acontecendo. Estamos com um bom fluxo na loja e nas conversas com engenheiros, arquitetos e construtores. Eles dizem que o setor está andando, está tendo procura. E isso é tão verdadeiro que essa demanda acaba caindo aqui e nós conseguimos concretizar as vendas", avaliou, dizendo que a projeção de aumento das vendas é de 20%.
Para dar conta de todos estes projetos, as empresas têm nas ferramentas online sua grande aposta. Isso porque, cada vez mais, reuniões para apresentação do briefing e do projeto têm deixado o ambiente presencial e acontecido nas plataformas digitais em decorrência das medidas de distanciamento social.
"Muitos dos  nossos atendimentos estão correndo via WhatsApp e isso nos obriga a ter muita propriedade para vender pelo aplicativo. Mas estamos  conseguindo vender projetos de móveis planejados pelo Whatsapp", destacou Gisele Barbi.
Já o Schirmann Home Center reforçou as vendas através  do atendimento externo, do telemarketing e ampliou o estoque, já que neste momento, em decorrência da pandemia, as fábricas reduziram a produção de materiais. 


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por