Notícia

Educação

Unijuí avalia impacto do adiamento do Enem antes de tomar decisão

Postada 25/05/2020



O adiamento da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), anunciado nesta semana, pelo Ministério da Educação (MEC) apesar de atender um pedido dos estudantes, gerou dúvidas sobre a utilização do exame nos vestibulares. Ontem, o  ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou que o prazo para inscrição no Enem foi adiado para a próxima quarta-feira. 
Em entrevista ao Grupo JM, o analista de negócios na Coordenadoria de Marketing da Unijuí, Éder Ocimar Schuinsekel, afirmou que a Universidade ainda está analisando o impacto da medida, pois além da suspensão do Enem, todos os processos seletivos de acesso ao Ensino Superior também estão cancelados. 
Inicialmente, o calendário do Enem previa a aplicação das provas em dois fins de semana: 28 e 29 de novembro e 5 e 6 de dezembro. “Vamos ter que avaliar ou reformular o nosso calendário na medida que tivermos uma perspectiva de retorno das atividades de graduação, pois o Vestibular de Medicina, por exemplo, sempre é agendado depois da divulgação do resultado do Enem, que demora quase dois meses após a realização da prova.”
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou também que a alteração no cronograma vale tanto para a aplicação dos exames na versão impressa quanto na digital. As datas serão alteradas de 30 a 60 dias. O órgão afirmou ainda que realizará uma enquete com todos os inscritos no exame em junho, por meio da Página do Participante - isso deve impactar na nova data.
Schuinsekel explica que a Unijuí ainda não tem uma posição formada. “Ainda estava avaliando a notícia da proposta de adiamento do Enem, pois o nosso processo seletivo de Verão é em dezembro, e o de Medicina é geralmente no início de fevereiro, por isso, não temos ainda tudo definido, vai depender de tudo como vai ocorrer nos próximos meses. O Vestibular de Verão usa a nota do Enem, da redação como também o vestibular complementar da mesma forma, e o nosso Vestibular de Medicina tem uma prova presencial na Unijuí e também a nota do Enem, por isso, se o adiamento for de 30 dias não terá muito impacto, mas a preocupação aumenta se for adiado para mais de 60 dias.” 
Ele destaca ainda que os alunos devem aproveitar este período para ir se organizando. “Os estudantes precisam fazer um plano de estudo, não deixar tudo para a última hora. Eles podem fazer várias atividades, entre elas, refazer a prova do Enem do ano passado, que está disponível no site do MEC, praticar redação, simulados, tem a hora do Enem na TV Escola, e tem o projeto do governo do Estado que está disponível na TVE e no You Tube, é claro que a gente entende que parte dos estudantes têm dificuldades de acesso à internet, mas deve-se buscar nos livros a tentativa de minimizar essas questões”, declara o analista de negócios da Unijuí. 
A disparidade entre as redes de ensino particulares e públicas é apontada pelo presidente do Sindicato do Ensino Privado (Sinape) Bruno Eizerik. “Os alunos da rede privada continuam com aulas remotas, sendo devidamente preparados. Mas o adiamento é uma questão de justiça com todos aqueles estudantes que não têm o mesmo acesso, não seria uma competição justa”,  afirma Eizerik.


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por