Notícia

Saúde

Atendimento a normas reforça excelência do Cacon

Postada 08/11/2019



Responsável pelo atendimento de 1,5 milhão de pessoas, em 120 municípios da macrorregião, o Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) tem seu atendimento baseado em normas nacionais e internacionais, do Ministério da Saúde e do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Conforme afirmou o coordenador  do Cacon, médico Fábio Franke, todos os cuidados são observados em termos de protocolo de atendimento e de procedimentos operacionais.
“O Cacon se notabilizou, nos últimos anos, por seu selo de pesquisa e por desenvolver tratamentos inovadores para o câncer. E, obviamente, estes tratamentos têm todo um cuidado específico, desde a parte de controle de temperatura, armazenamento e administração. Somos rigorosamente controlados com relação a isso”, afirmou, lembrando que é exatamente por primar pela qualidade dos atendimentos e dos tratamentos fornecidos aos pacientes que o Cacon é considerado excelência na prestação dos serviços desde 2002, quando o Centro foi inaugurado.
“Inclusive recentemente, na Semana de Oncologia, realizada no Rio de Janeiro, tivemos o simpósio de pesquisa clínica coordenado por mim. Ele contou com uma série de profissionais querendo conhecer o serviço de Ijuí”, reforçou Franke. Ele destaca que, atualmente, há um Programa de Capacitação em Pesquisa Clínica no Cacon, que permite que médicos de todo o País venham até a cidade, permaneçam três ou quatro dias, para poder receber todo o treinamento na área. “Somos reconhecidos como um centro de inovação e um modelo a ser copiado por outras cidades.”
Segundo o coordenador, toda a equipe possui treinamento de excelência, desde a área administrativa, passando pela equipe de enfermagem até a farmácia. “Todo mundo acaba sendo treinado e capacitado para desenvolver suas atividades.  Todos os processos são respeitados. Não teríamos esse reconhecimento nacional, e até internacional, se não fosse assim. Somos constantemente monitorados e  já sofremos diversas auditorias.”
Tanto procedimentos quanto protocolos são eventualmente  revistos, segundo o coordenador, diante de mudanças em normas técnicas ou quando há a necessidade de aprimoramento. “O Cacon, que ambiciona uma reforma, uma reestruturação, sempre está atento ao controle de qualidade. Problemas que podem ter acontecido servem exatamente para que possamos nos ajustar e continuar em frente.”


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por