Notícia

Geral

Pagamento pós-óbito é principal fraude em Ijuí

Postada 20/08/2019



Na manhã de ontem, o Grupo JM recebeu em seus estúdios o gerente executivo regional da Agência do INSS de Ijuí, Rafael Turra, o chefe do serviço de benefícios, José Korbes, e a chefe de recursos de direitos da Previdência, Cheli Classmann. Entre os assuntos abordados, estão o pagamento de benefícios e as mudanças no sistema, como a implementação do Meu INSS, que conta com um rol de 90 serviços que podem ser acessados pela internet.
A agência do INSS de Ijuí abrange 113 municípios, totalizando 308 mil beneficiários e um volume de R$ 341 milhões por mês. Destes, 20.802 beneficiários são de Ijuí, por meio dos quais são injetados R$ 26 milhões por mês na economia local - com a antecipação da primeira parcela do 13º, esse volume irá a R$ 40 milhões.   "Nossa gerência, neste mês, com o 13º, vai chegar a quase meio bilhão de reais. É muito dinheiro", avalia Korbes. "O salário médio de aposentadoria gira em torno de R$ 1,2 mil. Na nossa região, por ser bastante agrícola, 75% recebem um salário mínimo."
Em 2000, o número de beneficiários era de 176 mil na regional, e praticamente dobrou. Por ano, sete mil novas pessoas solicitam aposentadoria - sendo 600, em Ijuí.
“Nos últimos dois anos, há um acréscimo de requerimentos. Hoje, as pessoas não vêm mais na agência requerer seus benefícios, temos o projeto do INSS Digital, trabalhando desde 2017, mudou a forma de atendimento do cidadão, que hoje não precisa estar na agência", explica Cheli. "A plataforma está funcionando, geramos um código de acesso e há critérios de segurança."
Na década de 90, a liberação da aposentadoria, desde o requerimento, levava em torno de 18 meses. Hoje, essa espera é de seis meses. "Pretendemos deixar todos os pedidos em um prazo de 45 dias", afirma Turra.
Estão em andamento no País, as revisões dos benefícios do INSS. O objetivo do governo é combater fraudes ao sistema e economizar até R$ 9,8 bilhões. No município, a principal fraude é relacionada ao pós-óbito. "Pessoas que morrem e o registro não vem, ou não é feito, ou por inconsistência até no cadastro, não bate com o sistema da Previdência, para a suspensão automática", conta Korbes. "Depois é feito um processo administrativo de busca para devolução desses valores recebidos indevidamente. Temos muitos processos, isso para nós é rotineiro."


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por