Notícia

Rural

Seminário debate mudanças no setor lácteo

Postada 27/06/2019



As mudanças na atividade leiteira foram tema do 5º Seminário do Leite, realizado na Associação Comercial e Industrial (ACI) de Ijuí, ao longo do dia de ontem. Participaram produtores e técnicos agrícolas do município e da região.
O seminário teve, além de informações técnicas, principalmente relativas às novas normativas 76 e 77 do Ministério da Agricultura (Mapa), um momento motivacional, com o palestrante Tomé Castro.
Pela manhã, a programação iniciou com palestra sobre Desafios da Saúde Neonatal em Terneiros, com apresentação dos avanços tecnológicos na área.
A segunda palestra abordou Novidades nos protocolos reprodutivos para incrementar eficiência reprodutiva em rebanhos leiteiros. "Talvez as pessoas da zona urbana não tenham noção de quanto a parte reprodutiva de um rebanho representa dentro da atividade. Para se ter uma ideia, se uma vaca não reproduzir, termina o tambo do leite. Então, temos essa necessidade, de que a vaca, a cada ano, tem que parir. É um desafio da propriedade, e quem está no meio sabe que essas vacas hoje com alta produtividade têm dificuldade, realmente de emprenhar novamente", comenta o sócio proprietário da Agrovel, e um dos promotores do evento, Gilmar Lang.
No período da tarde, a primeira palestra foi Tempo de Mudanças, com foco no ser humano. A última palestra abordou a gestão das propriedades.
Ao final do evento, Lang avaliou o seminário como positivo, destacando a expressiva participação do público. Questionado sobre os impactos da importação do leite em pó na produção interna do leite, o empresário pontuou ser uma briga antiga dos produtores junto ao governo federal, estadual e parlamentares. "Mas, a gente sabe dos acordos internacionais que existem e é muito difícil mexer nisso, que, com certeza, é muito prejudicial à atividade leiteira. Acaba havendo uma concorrência, não diria desleal, mas que acaba diminuindo o resultado nas propriedades em função dessa importação."
Depois de meses embalado, o setor produtivo de leite projeta para junho a primeira baixa expressiva do ano. Nos valores de referência do Conseleite, o litro está estimado em R$ 1,1297, recuo de 4,14% sobre o mês de maio. O produto tinha engatado uma estabilidade. "Acredito que a economia como um todo está passando por um momento de dificuldade, não apenas no setor lácteo, mas outros segmentos também têm diminuído consideravelmente."


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por