Notícia

Região

Federação busca audiência na Casa Civil

Postada 22/04/2019



A Federação dos Servidores Públicos do Estado do RS busca audiência junto à Casa Civil para tratar de questões relacionadas ao IPE, que se encontra praticamente paralisado. Em muitas regiões, há demora para conseguir uma consulta ou até mesmo a falta de especialistas.
O problema se estende desde o último processo eleitoral, no final do ano passado, e acentuou-se com o atraso sistemático nos repasses, que já chega a 60 dias. Além disso, desde que assumiu, em janeiro deste ano, o governo de Eduardo Leite ainda não instituiu uma diretoria para o IPE Previdência, nem para o IPE Saúde.
Para o presidente da federação, Sérgio Arnoud, toda essa situação demonstra falta de interesse por parte do Estado. "Porque deseja encaminhar o IPE para a privatização, ou seja, torná-lo ineficiente, paralisá-lo e depois alegar que ele não funciona e então encaminhá-lo para a iniciativa privada", disse, em entrevista ao Grupo JM.
A falta de pagamento por parte do IPE afeta diversos hospitais, em diferentes regiões do Estado, inclusive em Ijuí, onde o atendimento por meio do convênio é praticamente inexistente.
"A própria Constituição prevê que a administração [do IPE] seja paritária, ou seja, pelos servidores, que contribuem, e pelo Estado. Isso, infelizmente, não está acontecendo e intranquiliza todos os servidores que dependem da assistência médica e hospitalar para si e para suas famílias", lamenta Arnoud.
Outra preocupação da categoria é relativa à aprovação da reforma da Previdência. Para a federação, essa mudança é prejudicial aos trabalhadores, a exemplo da reforma Trabalhista. Para alertar a sociedade, na última semana, foi realizada Jornada Internacional em Defesa da Previdência, com intuito de mostrar que o sistema de capitalização adotado pelo Chile é prejudicial, uma vez que 80% das aposentadorias daquele país chegam a um salário mínimo e 44% estão abaixo da linha da pobreza.
"Estamos extremamente preocupados, porque o encaminhamento que está sendo dado é para unificar as previdências, tanto de regimes próprios, que é o caso dos servidores, como de regime geral. O governo faz uma separação proposital e não considera que a Previdência Social, na Constituição de 88, passou a ser a seguridade social, ou seja, tem uma dúzia de fontes de recursos, que o governo não divulga para a população. Vamos deixar isso bem claro, porque o governo só mostra o que arrecada do trabalhador e do patronal, mas não mostra o quanto arrecada nas loterias e em outras fontes", afirma.
Segundo o presidente, o governo estaria omitindo dos trabalhadores as demais fontes de arrecadação. "Esse leque nunca foi deficitário, senão o governo não teria como retirar, como faz, anualmente, até 30% da receita da Seguridade para cobrir outras atividades que não têm nada a ver com as aposentadorias e com as pensões. Esse é um discurso falacioso, mentiroso, para tentar convencer a população de que a Previdência é deficitária. Então, estamos nessa luta."
Por fim, Arnoud afirma que as medidas adotadas pelo governo são no intuito de tentar sufocar o movimento sindical, impedindo o esclarecimento dos trabalhadores acerca da reforma da Previdência.  "Isso nós não vamos permitir. Iremos lutar até o último momento para esclarecer a sociedade e impedir que os deputados e senadores cometam esse crime contra todos os trabalhadores brasileiros", acentua. "É danosa, prejudicial e tenta retirar toda e qualquer fonte de custeio para que os sindicatos, sem dinheiro, não tenham como se opor a essas maldades. Mas, vamos continuar lutando e vamos encontrar maneiras de derrotar mais essa medida arbitrária que tenta retirar todos os recursos das organizações sindicais."


Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por