Notícia

Rural

Colheita da soja é intensificada na região

Postada 08/04/2019



Produtores de Ijuí e região estão finalizando a colheita da soja, e contaram com a contribuição do tempo, nas últimas semanas, e intensificaram o trabalho durante o dia e a noite. A projeção do escritório da Emater municipal, é de que a média fique em 60 sacas/hectare na região de Ijuí. Em âmbito estadual, a expectativa é de que a colheita seja menor em relação ao ano anterior, ainda assim, deverá ser a segunda maior safra da história do RS.
 O preço atual é considerado adequado para o momento, uma vez que o valor em dólar está baixo. A taxa de câmbio tem contribuído com o produtor brasileiro que está, paulatinamente, comercializando a safra, alimentando a demanda e os preços se mantêm relativamente estáveis em dólar. Entretanto, o ritmo de comercialização no RS é mais lento em relação ao resto do País, porque o produtor gaúcho ainda sente os impactos ano passado, em que o valor da saca de soja atingiu R$ 80, e muitos também fizeram venda futura do grão.
Historicamente, o produtor gaúcho comercializa 40% da safra durante o mês de abril, com intuito de fazer frente às despesas, financiamentos e custos de lavoura. 
"Os preços estavam na casa de R$ 70, de pedra, na região, muito em disputa da soja. À medida que vai acomodando o volume de colheita, o preço é natural que caia. Nesse momento de comercialização, que é para fazer frente às despesas, aos financiamentos, nesse primeiro estágio, que atinge 30, 35%, não vejo muitas expectativas de preços melhores. Poderemos ter preços melhores, mas de junho para frente, e ainda, dependendo do clima de plantio e de desenvolvimento da safra americana. Há mais um fator que temos que prestar atenção, que é a votação ou não da reforma da Previdência, pela Câmara e pelo Senado", analisa o consultor Índio Brasil.
Na opinião do economista, se a reforma for aprovada, poderá melhorar o cenário, retomando os investimentos externos no País. "Mas, se não passar, o câmbio tende a ficar no patamar que está, para cima, e, consequentemente, não ter os investimentos estrangeiros, então os valores, se subirem em dólar, efetivamente vão trazer um melhor preço aos produtores. Mas, olhando as produtividades, os preços que estão aí são altamente lucrativos ao produtor", finaliza.


Mais Fotos

Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por