AO VIVO


Coluna Argemiro Luís Brum

Publicada 26/10/2017

UM VOO DE GALINHA (?) (Final)

O fato de não estarmos conseguindo eliminar o déficit primário no setor público nacional cristaliza o fracasso do ajuste fiscal que tanto o País precisa. A falta deste tende a transformar nossa recuperação econômica, iniciada em 2017, em um voo de galinha. Segundo o recente ajuste governamental, até 2020 deveremos manter um déficit primário, mas os recentes dados oficiais mostram que poderemos ir ainda mais longe caso as reformas estruturais não sejam realizadas entretempo. Senão vejamos: nos oito primeiros meses de 2017 o rombo do governo federal (déficit primário) era de R$ 85,8 bilhões (o pior da série histórica iniciada em 1997). No acumulado de 12 meses (até agosto/17) o déficit era de R$ 172,8 bilhões (R$ 13,8 bilhões acima da nova meta). Além disso, neste déficit primário não está calculado o pagamento das despesas com a dívida pública, fato que elevaria o resultado negativo para cerca de R$ 500 bilhões (nossa dívida interna total hoje supera um trilhão de dólares). Na prática, isso é resultado de um crescimento real do gasto público no ritmo de 6% ao ano nestes últimos 25 anos. Ora, alargar a meta ou aumentar impostos, como o governo vem fazendo, é sinônimo de “empurrar de barriga” o problema e testemunho de não conseguir resolvê-lo. E o pior é que tais gastos continuam: aumento de fundo eleitoral; bolsa empresário; política do toma lá dá cá; desbloqueio de verbas de representação para salvar “o cargo” do presidente Temer; inchaço da máquina pública; renúncia fiscal (R$ 35 bilhões com o REFIS) etc. Enquanto isso os serviços públicos continuam péssimos e já começa a faltar dinheiro para muitos deles. O Estado tende a parar. Afinal, há muito tempo não temos poupança e investimentos suficientes para alavancar sustentavelmente a economia. Hoje, nossa taxa de poupança está em 15,8% do PIB. E sem poupança não há investimentos, hoje a uma taxa de 15,5% do PIB. Em ambos os casos precisaríamos de 25% do PIB. Assim, até as eleições deveremos crescer um pouco mais. Depois, se a escolha das urnas for coerente com as necessidades nacionais, mais dois anos de crescimento. Após isso, só com as reformas, pois não há normalização sustentável da economia sem responsabilidade fiscal. Em síntese, saímos de uma recessão histórica lentamente, mas sem sustentabilidade. Desta forma poderemos crescer ainda mais três anos, dependendo do resultado das eleições de 2018. Porém, sem reformas estruturais não haverá ajuste fiscal, e sem ajuste voltaremos a cair. Ou seja, precisamos de um projeto de desenvolvimento para o Brasil, onde Estado e mercado coexistam com eficiência. Por enquanto, tal projeto não existe! 

Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por