AO VIVO


Coluna David Antônio dos Santos

Publicada 10/10/2017

SÓ ALEGRIA!

Não, não estou me referindo ao bordão do ex-vereador da Colônia Santo Ântonio – onde, aliás, domingo jogamos e fomos, como sempre, bem servidos num lauto churrasco acompanhado de um ótimo risoto - preparado e servido pelos abnegados moradores do local.
Mas a alegria que me refiro, é a visita de meu neto, o Théo, “candanguinho” de Brasília, tenho certeza fará muita festa com os avós babões.
Dizem os psicólogos que quando a criança convive com os avós, amplia sua noção de família e ganha a oportunidade de conhecer os mais velhos e de aprender a respeitá-los.
Em algumas famílias, tudo é harmonia. Em outras, existem algumas discordâncias entre pais e avós. Na maioria, aparecem situações de tensão – normais em qualquer relacionamento – e que precisam ser administradas por ambas as partes.
É comum a avó ou a sogra dar conselhos à mãe principiante. Elas amam os netos, são mais experientes e acreditam ter algo a oferecer. A questão é que a maneira de criar muda muito de uma geração para outra e as divergências costumam causar conflitos. Conselhos não vão faltar. Uma opção é, com delicadeza, fazer afirmações como: “O médico disse para alimentá-lo assim”. É importante os pais lembrarem que cuidarão do filho da sua maneira e que a palavra final sempre caberá a eles.
Os avós, por sua vez, não precisam ter medo de manifestar suas opiniões. No entanto, é importante que percebam as reações aos seus comentários. Se não forem favoráveis, o melhor é calar, a menos que seja uma situação extrema, em que a criança esteja em risco. Para ajudar de modo correto, devem adaptar-se o máximo possível aos métodos adotados pelos pais.
Outro ponto comum de conflitos nesse campo são as vontades feitas pelos avós. Segundo os pais, eles deseducam ao agir desse modo. Porém, não é bem assim. Desde que a segurança das crianças esteja garantida, não há problema em satisfazer os desejos. Os avós têm mesmo responsabilidades diferentes das dos pais na educação. Sempre que eles cuidam dos netos, seja por uma tarde, seja por duas semanas, os pais precisam estar seguros de que vão tratá-los segundo princípios básicos sobre os quais estejam de acordo. De todo modo, devem aceitar que haverá mudanças na rotina.
Que oportunidades dada aos avós, estudos mostram que o vínculo avô-avó-neto, é uma das mais fortes ligações emocionais.
Ter filhos é uma benção, mas ter netos, é uma benção em dobro; e vamos combinar, os netos demonstram prazer na companhia dos avós. Seja bem-vindo Théozinho!

Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por