AO VIVO


Coluna Nilton Kasctin dos Santos

Publicada 27/03/2018

O principal

Como teste para poder casar com a filha do rei, um jovem recebe do próprio pai da moça a incumbência de viajar a cavalo por vários dias a fim de entregar uma mensagem escrita e um saco de diamantes ao rei do país vizinho. Selou um dos cavalos do reino, tomou os pertences de viagem, o saco com o tesouro e o envelope com a mensagem, montando apressado no animal.
Já havia dado voz de partida ao cavalo quando um empregado do palácio se aproxima gritando:
- O rei manda que se apresente a ele antes da partida.
Em um minuto está diante do trono, reverente e curioso. Mas o soberano pronuncia apenas uma frase:
- Só estarás apto a casar com minha filha se durante a viagem cuidares bem do principal.
E deseja boa viagem depois de olhar bem nos olhos do moço.
Sempre pensando naquela frase do rei, o rapaz exagera no cuidado com as pedras de diamante. Prende-as com segurança na perna por debaixo da roupa, pois assim, além de ficarem imunes aos olhos dos salteadores, cairiam dentro da bota caso se desprendessem.
Para concluir o mais rápido possível a missão, açoita sem parar o cavalo e toma atalhos pedregosos que machucam os cascos do animal. E de tanto que cuida do saco de diamantes, não sobra tempo para dar água e comida ao cavalo.
Nem na metade da viagem, e o animal já está trôpego em razão da fome e da sede, sem falar nas pisaduras e ferimentos dos cascos.
Um transeunte avisa:
- Moço, esse cavalo está morrendo. Se não passar a cuidá-lo, ficará a pé.
Em vão. O rapaz apenas meneia a cabeça com desdém, e segue pensando: “o que importa é cuidar do principal”. E golpeia impiedoso o animal, em intervalos cada vez mais curtos.
Fim da viagem. O cavalo está tão cansado e machucado, que cai de joelhos assim que pisa no pátio do palácio.
O próprio rei é quem sai para recebê-lo. Toma as joias e a mensagem das mãos do rapaz, e analisa vagarosamente todas as feridas do cavalo, sem nada dizer.
Depois toma um papel, escreve alguma coisa, e o entrega ao jovem, dizendo:
- Leve isto para o rei da tua terra. Mas vá a pé; o cavalo ficará para que possa ser tratado dos ferimentos.
Depois de vários dias de sofrida caminhada, o rapaz finalmente entrega a carta ao seu senhor, que depois da leitura sentencia:
- A mensagem que acabei de ler me informa que durante a viagem você não cuidou do principal, como te ordenei. Além de chegar todo estropiado, o cavalinho estava debilitado por ter passado fome e sede na tua mão. Não casarás com minha filha, pois quem faz maldades para os animais também o faz para as pessoas.
Ao longo da história, os seres humanos cometeram muitos erros. Alguns tão grandes, que provocam arrependimento e vergonha em toda a humanidade. Por exemplo, as perseguições com torturas e mortes por causa de ideias diferentes; guerras com extermínio de milhões por motivos étnicos ou religiosos; degradação ambiental com a extinção de espécies inteiras de plantas e animais.
Mas o maior dos erros que o homem já cometeu foi ter, nos últimos séculos, passado a entender que é superior aos outros seres planetários. Que pode subjugar toda a obra da Criação ao seu interesse. Assim, o homem rompeu seus laços afetivos com a natureza e passou a ver a terra não mais como a grande mãe universal, mas como mero objeto para satisfação de suas necessidades materiais. Ele não vê a terra como seu habitat, como uma fonte de vida, como um meio de produzir comida e bem estar, mas como meio de produzir dinheiro, apenas.
O principal para o homem moderno não é a vida. Nem a dele próprio. É o dinheiro.

Edição Impressa


Ver Todas as Edições
Trabalhe no Grupo JM Espaço do Leitor - Assine - Anuncie -
Albino Brendler, 122, Centro, Ijuí-RS
(55) 3331-0300
[email protected] Desenvolvido por